Skip to content Skip to main navigation Skip to footer

Regalo neceser por compras desde 50€*. Código: 19806 | Envío gratis desde 20€ a puntos de recogida

Regalo neceser por compras desde 50€*. Código: 19806 | Envío gratis desde 20€ a puntos de recogida

ESTAR ISOLADA ≠ ESTAR SOZINHA

LUTAMOS CONTRA A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Grande parte do mundo está, ou esteve isolado devido à pandemia da COVID-19. Este momento teve um grande impacto em todas as pessoas mas, particularmente nas mulheres que sofrem de violência doméstica.

Muitas das mulheres foram obrigadas a ficar em casa com o seu agressor durante o confinamento, com risco de sofrer mais abuso e violência. Esta é uma das consequências da COVID-19 que menos se fala: a violência doméstica é um problema social que aumentou durante a pandemia.

No último ano, só em Portugal houveram 29 473 vítimas de violência doméstica participadas às Forças de Segurança (Dados da CIG) e 243 milhões de mulheres e meninas (de idades entre os 15 e os 49 anos) em todo o mundo que sofreram de violência doméstica sexual ou física por parte de um parceiro (Dados ONU)

Em Portugal, no período que abrange a pandemia de covid-19 a rede nacional registou 15.919 atendimentos, fazendo agora, e desde a última quinzena de maio, uma média de 4.500 atendimentos, cada vez mais presenciais à medida que o desconfinamento avança, e que são quase o dobro dos 2.500 atendimentos em média nas quinzenas e abril, que já eram um número muito significativo. Os pedidos de ajuda cresceram sobretudo nas vias telefónicas e digitais. A linha de apoio da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), o email e o número de SMS criado especificamente para o contexto da pandemia e que o Governo pretende manter receberam 727 contactos entre 19 de março e 15 de junho, um aumento de 180% face ao primeiro trimestre de 2019. Dos quase 16 mil atendimentos na rede nacional feitos durante o período da pandemia, 1.167 foram a pessoas com mais de 66 anos. A violência doméstica sobre idosos é ainda uma realidade muito escondida, muitas vezes porque as vítimas sentem que têm que proteger os agressores.Neste momento e só na Cruz Vermelha estão ativas 3465 medidas de teleassistência com botão de SOS. (Dados da Cruz Vermelha)

Ainda que estejamos a deixar para trás os dias de confinamento mais restrito, as consequências na saúde, sociais e laborais da pandemia atinge especialmente as mulheres. Depois do isolamento devido ao COVID-19 os agressores podem ter uma perceção de maior controlo que acarreta um risco para as mulheres que agora querem sair e recuperar a sua autonomia.

Além disso, neste momento a saída de uma relação violenta pode ser ainda mais difícil, devido ao aumento dos abusos a vitima pode ter mais medo ou pode estar numa situação de dependência económica do seu agressor.

A violência doméstica é uma grave violação dos direitos humanos. Não podemos ficar indiferentes. É momento de atuar.

Associámo-nos à Cruz Vermelha com o objetivo de sensibilizar, direccionando a sociedade para a ação e a mudança cultural.

Podes-te unir à campanha e mostrar a tua solidariedade ao partilhar o hashtag #isolatednotalone

mulher sorrindo

2 PRODUTOS FACIAIS COMPRADOS = 1 PRODUTO FACIAL DOADO*

De 08/09 al 21/09, apoiamos mulheres vítimas de violência doméstica colaborando com os diferentes programas da @Cruz Vermelha. Depois dos piores momentos da pandemia Covid19, continuamos a lutar contra a violência doméstica, lembra-te: estar isolada é não estar sozinha! Vais participar?

Body Butter

1 BODY BUTTER = 1 DOAÇÃO

Doámos 18.500 Body Butters* para apoiar as mulheres vítimas de violência doméstica, na zona da Península Ibérica, através da Cruz Vermelha. Graças a vocês. Obrigada por nos ajudarem a provar que estar isolada não é estar sozinha!

#IsolatedNotAlone

*Body Butter de 50ml em todos os aromas.

É MOMENTO DE DIZER BASTA

Associamo-nos à Cruz Vermelha para difundir esta mensagem contra a violência doméstica.

Todos temos um papel a desempenhar e podemos ajudar nesta luta.

É O MOMENTO DE FALAR

Cada uma das nossas empresas do grupo Natura & Co (Avon, Aesop e Natura) estão a participar ativamente no apoio a esta campanha. Estamos a utilizar o nosso alcance e influência global para criar consciência sobre este grave problema. Partilhamos informação e orientações para todas as pessoas que podem atuar contra a violência doméstica. Daremos apoio a projetos da Cruz Vermelha que intervenham de forma específica junto a mulheres em situação de vulnerabilidade.

Estamos aqui para te apoiar. Não estás sozinha

SE ESTÁS A SOFRER DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA:

Illustration of women holding a megaphone

Os números gratuitos 800 202 148, 144 ou 112 estão a funcionar: Podes ligar e pedir ajuda. Estes números podem pôr-te em contacto com Forças e Corpos de Segurança

Utiliza as redes sociais. Se for mais fácil pedir ajuda online do que ligar podes fazê-lo por este email: cig@cig.gov.pt. Em caso de estares perante uma situação de perigo em que não seja possível realizar uma chamada podes utilizar a app AppVD, ela irá enviar um sinal de alerta à policia com a tua localização.

Illustration of holding hands

Se precisas de apoio emocional imediato podes contactar via SMS ou através dos números: 3060.

Se procuras aconselhamento juridico podes encontrar através dos Gabinetes de Apoio à Vitima distribuídos nacionalmente, todos os dias úteis da semana. Este serviço é prestado em 52 idiomas e com um serviço adaptado a possíveis situações de incapacidade.

Lembra-te que o telefone de emergência das Forças de segurança é o 112 e também está a funcionar.

Illustration of hand using a mobile phone

Se convives com o agressor te impede de telefonar, tenta sair de casa e dirigir-te às forças de segurança.

Tenta ter sempre contigo o telemóvel, com bateria carregada, as chaves e alguma documentação.

Adiciona aos teus favoritos o número de emergências para que possas telefonar com maior facilidade.

Perante um surto de violência tenta sair e pedir ajuda. Se não podes sair, procura um lugar seguro para te proteger.

SE SUSPEITAS QUE UMA MULHER QUE CONHECES ESTÁ A SOFRER VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Illustraton of four hands in the air

As mulheres que sofrem de violência doméstica e que estiveram em isolamento social podem ver o acesso aos meios de comunicação de denúncia habituais dificultados. Os amigos, familiares e vizinhos devem prestar mais atenção face a possíveis situações de violência doméstica e denunciar à mínima suspeita. Todos podem ajudar.

Se acreditas que alguma mulher está a sofrer de maus tratos, mantém o contacto com ela e mostra a tua disponibilidade para a apoiar no que necessite, em qualquer momento. Se for possível combina um sinal (uma frase, uma chamada, um emoji...) para que te possa pedir ajuda ser alertar o agressor.

Illustration of three women hugging

Também podes contactar o 144, um telefone gratuito e a funcionar 24 horas, onde te podem indicar os passos a dar para a apoiar da melhor forma possível.

Se conheces uma situação de perigo eminente ou ouviste uma mulher vizinha a ser maltratada, liga para o 112 e comunica os factos. A tua colaboração pode ser vital.

Illustration of child and mother on a sofa

GUIA TELEFÓNES/ APP´s DE AJUDA:

• 144, 24 horas por dia

• cig@cig.gov.pt

• 112

• 800 202 148

• AppVD

• SMS: 3060

• Assessoria jurídica: 116 006, días úteis, das 9horas às 21horas.

• Podes consultar o guia desenvolvido pela Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, onde aparecem todos os recursos e serviços disponíveis para Violência Doméstica durante a pandemia.

É TEMPO DE PERGUNTAR

Cada uma das nossas marcas do grupo Natura & Co (Avon, Aesop e Natura) também estão a fazer campanhas sobre violência doméstica. Juntos podemos combater o seu aumento.

Em conjunto escrevemos uma carta global aos governos e governantes, presidentes e legisladores do mundo inteiro, para apoiar a ONU e instituições de apoio à vítima e priorizar as mulheres que sofrem violência doméstica neste momento. Lê-o e pergunta pelas decisões locais que estão a ser tomadas para apoiar esta causa.

Ler a carta

Partilha esta mensagem importante e junta-te à luta contra a violência doméstica #IsolatedNotAlone

A The Body Shop não proporciona serviços de emergência de nenhum tipo, incluindo: intervenção de crise, assessoramento, casa de acolhimento, assistência legal ou financeira.